Comunicação

Notícias

Notícias

Impactos da privatização do setor elétrico é tema de Seminário hoje

Compartilhar:

O Presidente do Corecon-MG Paulo Bretas é um dos participantes do Seminário que discute sobre privatização do setor elétrico nesta segunda-feira, 7/5, às 14 horas, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Comissão da Câmara dos Deputados reúne trabalhadores e especialistas da área para discutir os impactos de privatizar usinas elétricas em Furnas.

Usinas mineiras operadas por Furnas podem ser privatizadas - Foto Arquivo ALMG Usinas mineiras operadas por Furnas podem ser privatizadas – Foto Arquivo ALMG – Foto: Sarah Torres

A Comissão Especial da Câmara dos Deputados encarregada de examinar o projeto que trata da desestatização da Eletrobras realiza seminário na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) nesta segunda-feira (7/5/18), às 14 horas, no Auditório.

A proposta de privatização do setor elétrico, que engloba as subsidiárias da Eletrobras, como Furnas, que opera usinas em Minas Gerais, é do Executivo Federal e está contida no Projeto de Lei Federal (PL) 9.463/18.

O evento na ALMG vai reunir especialistas, sindicalistas e parlamentares para debater os impactos dessa privatização. O seminário foi proposto e será coordenado pelos deputados federais mineiros Patrus Ananias (PT), vice-presidente da comissão especial e Leonardo Quintão (PMDB) e terá, ainda, a participação da deputada Jô Moraes (PCdoB).

Foram convidados o diretor-presidente de Furnas, Ricardo Medeiros; o ex-ministro de Minas e Energia Nelson Hubner; o presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais, Olavo Machado; e o presidente do Sindicato dos Eletricitários de Furnas, Miguel Ângelo de Melo Faria.

Também são aguardados representantes dos empregados de Furnas, dos municípios vizinhos às usinas e aos lagos de hidrelétricas, do Conselho Nacional de Recursos Hídricos e da Plataforma Operária e Camponesa de Energia, que reúne sindicatos e movimentos contrários à privatização.

O mesmo seminário já foi realizado em Pernambuco e no Pará. Depois de passar por Minas Gerais, a comissão especial já tem encontros agendados em Sergipe, Santa Catarina, Rio de Janeiro e São Paulo.