NOTÍCIAS

14/02/2017

Vendas no comércio caem 6,2% em 2016

Uol e Reuters

As vendas no comércio brasileiro caíram 6,2% em 2016, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta terça-feira (14). Foi o pior resultado em 15 anos, desde 2001, quando começa a série histórica do instituto.

Em dezembro, as vendas recuaram 2,1% na comparação com novembro, quando subiram 1%. Em relação ao mesmo mês do ano anterior, houve queda de 4,9%, no 21º recuo seguido.

A expectativa em pesquisa da agência de notícias Reuters era de queda de 1,95% na comparação mensal e de 4,5% sobre um ano antes.

O volume de vendas caiu em todas as oito atividades que compõem o setor. Veja os resultados por atividade:

Livros, jornais, revistas e papelaria: -16,1% 

Móveis e eletrodomésticos: -12,6%

Equipamentos e material de escritório, informática e comunicação: -12,3%

Tecidos, vestuários e calçados: -10,9%

Outros artigos de uso pessoal e doméstico: -9,5%

Combustíveis e lubrificantes: -9,2%

Supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo: - 3,1%

Artigos farmacêuticos, médicos, de perfumaria e cosméticos: -2,1%

 

Veículos e construção

Segundo o IBGE, o comércio varejista ampliado, que inclui a venda de veículos e de material de construção, também teve a maior queda da série histórica, de 8,7%. O resultado reflete o desempenho ruim das vendas de veículos, motos, partes e peças (-14%) e de material de construção (-10,7%).

A diminuição no ritmo de financiamentos, a alta taxa de juros e o endividamento das famílias foram os fatores apontados pelo órgão para explicar a queda no comércio. 

Vendas só não caíram em Roraima

Considerando os Estados e o Distrito Federal, as vendas no comércio ampliado (incluindo veículos e material de construção) caíram em 26 das 27 unidades.

Os piores resultados foram registrados no Amapá (-16,3%), no Espírito Santo (-15%) no Pará (-14%) e em Tocantins (-13,1%). No Rio de Janeiro, a queda foi de 11,3% e, em São Paulo, de 7%. 

182 mil demissões

Na véspera, um estudo da CNC (Confederação Nacional do Comércio) mostrou que o comércio varejista brasileiro fechou 108,7 mil lojas e demitiu 182 mil trabalhadores no ano passado.

O ano superou os resultados negativos de 2015 tanto na quantidade de lojas desativadas quanto em vagas fechadas. Em dois anos, o comércio encolheu em mais de 200 mil lojas e quase 360 mil empregos diretos.

O estudo da CNC mostra que, de dez segmentos do varejo analisados, todos fecharam mais lojas do que abriram no ano passado.